quarta-feira, outubro 09, 2013

(Até que seja tarde demais - Pedro Melo)

Tenho você de novo ao meu lado
em um filme inventado do acaso
neste apelo da liberdade em desatino
desejando despertar nosso destino

Então pra que entender
se no olhar mora a intenção das miragens
e se nada é o que parece ser
em encontros do agora viramos eternidade

Dividindo sonhos a noite inteira
contando segredos por brincadeira
reféns de nós mesmos e do vasto desejo
resolvendo o amor entre cenas e beijos

Antes que seja tarde demais
até que seja tarde demais...

E se os motivos já não são condição
na virtude do engano somos emoção
dando abrigo aos novos planos
lembrando de histórias perdidas nos anos

Você me diz estar sozinha
eu te digo nem pensar
você quer provas sinceras
e eu te mostro devagar

Descobrindo entre lágrimas
toda a inocência das promessas
na versão das nossas histórias
entre dias de coincidências dispersas
(mas desta vez para vivermos sem pressa)

Antes que seja tarde demais
até que seja tarde demais…

E que seja assim por mais de um instante
e que seja sob a noite dos amantes
e que seja quando for pra ser
entre as noites de madrugada
e o sol que está para nascer.

*listening to: http://www.youtube.com/watch?v=CbWyIDPBRiI

Um comentário:

Marcella gonçalves disse...

No espiritismo...falhei inovo...
fiz tudo ao contrário...
caí na rede...
vendo peixes e reconheçendo amigos
viajei....
ví em copacabana espetáculos de cores
índios, negros, brancos, pardos.. e todas as variações..
dos nativos aos Reis... dos turistas a fidalguia...
não pode ter limite....