quarta-feira, dezembro 22, 2010

(Tudo de Novo - P.M)




Deixe a cidade durmir
as asas dançarem
la fora os sons se conhecem

Deixe a vontade assumir
a loucura entretida
momento em que tudo se esquece

Não diga nada
o silêncio sempre foi verdadeiro
liberte os seus sentidos
e vamos pela alvorada
por mais um sonho inteiro
Se atrase mais um pouco,
vamos criar algo novo
buscar o que ache agente...

Inventar um tempo distante
na brincadeira de um romance
que nos faça de presente.

segunda-feira, dezembro 20, 2010

(Passagens - P.M)


Desde que você se foi,
Perdi, no céu, as estrelas...
Andei por ai apagado,
Com a pretensão dos estados
Meio sem eira e nem beira

Me despedi da ilusão
No dia a dia esquecido,
Nas lembranças me envolvi
Com conclusões sem sentidos

Ultrapassei os limites
Nos passos tardios da estrada
Enquanto desaparecia calado
Entre doses cansadas
No calor na madrugada

Tropecei em horas a fio
Apaguei o céu sem saber
O tempo parou sem parar
E eu me perdi por você...

Voei demais sem notar
Diante da distância criada
O presente passado
E o futuro apressado
Entre o tudo e o nada.

**Letra escrita inspirada em  nada além de letras.

sábado, dezembro 18, 2010

(Violet Vision - P.M)

Steps caught me following dreams
Counting geometric and lost stars
I have to pay attention in my feet
But the sky seems closer tham far

I need a hand, some violet vision
Will you give me some of your time?
I dont want to miss their feelings
Cause life is a experience of signs...

If you want to run with me
We could loose our souls
Lets taste all the visions
Of the freedom in this world

Let me lay my head in the ocean
Drowned by the shine on your eyes
So well fly on devotion
Like wings in the night.

quarta-feira, dezembro 15, 2010

(Blender - P.M)

What wings i must cut
To skip the promisse again
Taste the feeling, meet me falling
Beyond the love on your dose
Open wrists have no calling
Open wrists have no because

Do not trust essencial sights...
Forget the parallel of your time
Told you to return
Told you to surrender
But all I´ve got
Is a witness on a blender

Maybe you know how to hide
Enemies against yourself,
But I dont have that in mind
Cause Im not someone else.

segunda-feira, dezembro 13, 2010

(Keys - P.M)


I want to sleep in a distance
Gotta find a way to space
Leave the road behind
Become some kind of a place

Without confusion or time
Need vision without a trace
Awake and beyond
In a dreamstate of bliss

Trust days in slowmotion
Said to me the wise man
While I closed my eyes
And got peace in my hands

Universe is talking forever
In wonder while we sleep
So let soul write the turn
And love tell what to keep.
"O melhor do livre arbítrio é transformar a possibilidade em uma consequência da evolução."

domingo, dezembro 12, 2010

"A capacidade de separar o orgulho do ponto de vista, faz com que a boca em ouvidos se transforme."

sábado, dezembro 11, 2010

(Escape? - P.M)

Time is turning
bringing it on all the way
I got eyes in history
underneath your mistakes

Got you in a scape
while you were hiding a cure
just found out every little stage
in a dormant peace of a clue

Tell me to call the distance
and I will make it for fun
I told them to climb the borders
induce because Life isnt gone

For so long...
Skies watch new species
in a desuse of cause and effect
distraction turned into a distortion
will you sell truth and forget?
A dúvida é sempre a melhor resposta.

terça-feira, dezembro 07, 2010

“Algo simples como o vôo de uma borboleta pode causar um tufão do outro lado do mundo" 
                                                                                                                   Teoria do Caos.

sábado, dezembro 04, 2010

Sem humildade, todas as qualidades se tornam armadilhas do ego.
Escrever é deixar a distração esquecida
Guardada num momento inteiro,
De caso com o presente,

Entre círculos de Paz
No casulo da vida.

(Entre aspas - P.M)


Entre uma pausa, há de haver um sentido de sonhos...
Um gaveta entreaberta, deixando escapulir lembranças
Mistério mais fácil, entre o antigo e a perseverança.
Imagens descofacadas entre as folhas caídas
Uma fração do outono sem tantas despedidas
Porque o que foi, ainda há de nascer...
Em tudo o que está por vir,
Agora.

quarta-feira, dezembro 01, 2010

"Nas nuances do universo existem mais respostas do que se pode crer, basta sintonizarmos a vida dos pensamentos com a verdade dos olhos."

segunda-feira, novembro 29, 2010

(Escamas - P.M)


Sufocando em tuneis de ar
Imagens me invadem o pensamento
A emoção se tornou dolorosa
Na anestesia dos novos tempos

Bonecos pregam peças disfarçadas
Mímicas e euforias radioativas
No batimento de agulhas enferrujadas
Desatino nas fontes da simetria

Diálogos mudos lutam pelo ouro
Perfurando cicatrizes mal curadas
Revelando as condições errantes
Em conselhos de almas abandonadas

Os semblantes desapareceram
Na ilusão entre vagos enredos
Em cegueira  provocada pela ordem
Nestes labirintos consentidos desde cedo

Não deixe que eles possuam
A sua visão por inteiro
O remédio para a simulação
Está no combate de velhos segredos.

(Pequena reflexão sobre a guerra no Rio, claro que não traz a solução...
Mas que possa colaborar com o respeito pela vida alheia.)

segunda-feira, novembro 22, 2010

Bom dia a eternidade
Bom dia ao agora
Bom dia a saudade,
De tudo o que não foi embora.

(Sensibilidade Orgânica - P.M)


Entre os olhos do universo
Escorrem diamantes lapidados
Como sentimentos e reflexos
Destes mundos inominados
Resgatando nos sintomas
Toda a perfeição da eternidade
Sem segredos, nem coincidências
Na travessia desta viagem
O encontro com a natureza
Esta no despertar da emoção
Sintonizando cada sentido
Na simplicidade da  perfeição
Revelando a corrente
De fontes inesquecíveis
Na esperança da intervenção
Passos de vidas invisíveis...
Entre os jardins do infinito
Me encontro ao meu perder,
Enraizando o impossível
Calando tudo o que se vê...

domingo, novembro 21, 2010

(Entre Atos - P.M)


Somente os rastros da saudade
Aconselharam este viver,
Nos desejos da liberdade
Que me encaminharam a você...
Jamais esqueço,
Da emoção no existir...
Despertando um novo apreço
Para o que ainda há de vir
Nestas trilhas e paisagens
Só a verdade descansou
Toda a breve eternidade
Que o sentimento revelou
Quero apenas o destino
Que  me "leve" até o seu
Pois ou a alma está sorrindo
Ou a vida se perdeu...

sexta-feira, novembro 19, 2010

"O mesmo tempo que fortalece, é o que enfraquece... só depende do quanto reconhecemos e respeitamos nossas verdades."

terça-feira, novembro 16, 2010

(Tempos Tardios - P.M)

Pequeno papel em branco
Entre mundos de reflexos tantos
Em ti guardo a essência das cores
Bem escondidas, já sem almejar
Na perfeição da imperfeição...
Correntes e ventos fortes do ser

Trago duas doses de sentimento
Na voz quieta das vontades
Vazias e praticamente sonhadas.
Dentro de um limite indecifrável
Que somente o orvalho do tempo,
Em alma foi capaz de exprimir

O infinito se cria nas linhas da face
Enquanto os túneis da idade
Esperam pela corrente de ar
Acima dos sonhos concretos

Estrelas dormem reluzentes
Na sonolência de campos vastos
Diluindo os gestos lentamente
Na distância que abriga,
Os caminhos ocultos destes rastros.

segunda-feira, novembro 15, 2010

(Metamorfose - P.M)

Rompe-se o tempo,
Na paz do momento
Expressão das formas
Na emoção das idéias

O terreno é mental
Fruto da reflexão
E pai da realidade...

Apagam-se as horas,
Na imaginação da espécie
A criação é um portal
Vitória da invenção...
Mãe da liberdade.

domingo, novembro 14, 2010

"Somente o tempo pode trazer a perspectiva correta para a
criação de novos ideais.  É primordial respeitarmos valores
antigos, mas é muito importante descobrirmos qual o
"conselho" que as novas cabeças precisam escutar.  A
humanidade está  em constante mutação, por isso é essencial
a renovação das verdades. Desta maneira não estaremos
fadados a uma utopia das evoluções.""

sexta-feira, novembro 12, 2010

" Eles chamam de loucura qualquer corte profundo nas veias de uma realidade programada""


"Desta razão já estou cheio, abrigue-me numa ilusão ou me encontro de uma vez por todas perdido em devaneios"


 "Felizmente nem sempre o que enxergo, são o que meus olhos vêem"



"Sorry, but destiny isn`t exacly what you expect"


"Crer totalmente em tudo o que nos rodeia sempre foi uma despretensiosa armadilha para a evolução da mente humana"


"A razão nunca foi o meu forte, há muito os sonhos  me invadiram o norte"


"O silêncio é uma grande forma de comunicação"


" Dê me uma frase sincera, e a lerei no infinito"

quinta-feira, novembro 11, 2010

"Quando valorizamos o espírito, o universo nos cria através de sinais"

quarta-feira, novembro 10, 2010

"não se faz de verdade nesta vida,
aquilo que não se encontra intuitivamente com a morte."

segunda-feira, novembro 08, 2010

(Atos distantes - P.M)


Deixei o vago pras horas certas
descansei o lado bom da vida
sem respostas ou fases concretas
me despedi de uma razão definida

sem meias paradas
contos, casos ou intenções
somente o livre sopro das palavras
dissolveu um pouco do estado
neste renovar das emoções

como num sonho acordado
significados abertos e
olhos fechados
atravessei a porção do universo
num rasante calado dos tatos

se nem tão pouco,
em existência mais instante
nem tanto...
neste intervalo dissonante,
me atraiu a pura verdade...
já nem quero encontrar no tempo
as atuais versões da liberdade

só moldo agora,
nas horas do ser
segundo casando com a passagem,
eternidade abraçada com o viver.

quarta-feira, novembro 03, 2010

Todo este dialogo em códigos
Me faz pensar
Ou a onda está passando dos limites
Ou sou despreocupado demais
Ou sou um perdido de bom grado.

(Entre o agora - P.M)

Algum dia
talvez eu acorde
entre o sonho e a razão...
então poderei juntar em mim
o abismo que existe
entre o pensar e a emoção

Pois me tiraram o dom da lembrança
assim como o do esquecimento,
e agora, aqui me encontro...
nos vestígios do momento

Cansado de sempre pela metade
me perder ou encontrar...
guardo em mim todos os gestos
que distraídos permanecem,
procurando o seu lugar

Não sei adiar
a permanência da alma
sem carregar esta vertigem
mas posso encontrar
na raridade das palavras
o sentimento da origem.

sexta-feira, outubro 29, 2010

(Axial - P.M)


Estas versões exageradas
De reações em causas perdidas
Tentam enterrar a esperança
E converter a solidariedade
Em um jogo de nulas investidas

Diante de passagens errantes
A consciência enganada sufocou
Enquanto intenções foram partidas
Em um novo jogo que se inventou

As metas tiveram efeito contrário
Nos hábitos atrasados da indignidade
Enquanto corações foram trocados
Por fantasmas presos em vagas qualidades

Fazendo da virtude um sacrífício
Habitada por egos sem solução
Diante de condutas abandonadas
Que acreditaram que suas farsas
Algum dia os levaria a perfeição

Mas o destino os esqueceu
Presos no apego pela vaidade
Enquanto a liberdade será mantida
No livre arbítrio da verdade.

quarta-feira, outubro 27, 2010

“O verdadeiro lugar de nascimento é aquele em que lançamos pela primeira vez um olhar inteligente sobre nós mesmos (...)” Marguerite Yourcenar

segunda-feira, outubro 25, 2010

É importante a doação no envolvimento. Para que não se perca a essência nos gestos. O contato é sempre mais proveitoso quando existe sinceridade na troca.
A superficialidade não ensina a aprender. 
E somente a verdadeira  interação  pode criar boas oportunidades.
"Não se deixe enganar por motivos criados em essências disfarçadas. A liberdade do auto conhecimento só existe nos corações abertos. E só assim se obtêm uma maturidade sincera".

(Da Naturalidade - P.M)


É engraçado como a naturalidade nunca segue os passos da necessidade. Ambas estão sempre a percorrerem caminhos distintos. A naturalidade não chega quando se deseja algo de forma intensa. Só surge na distância dos motivos, na amnésia do ser, na ausência da presença. É como se a alma descobrisse que desaparecer é sempre uma boa maneira de renascer para o nada. A naturalidade fica sempre a esperar o segundo em que de tudo esqueceremos e completaremos o ser com um estado único, sereno. Lado a lado com a eternidade. Sem necessidade de gestos, motivos ou palavras. Somente o olhar esquecido na paisagem em sentidos de alvorada. A naturalidade se revela bem perto da essência. No nascimento de ser mais o muito do que não se é. Pois se somos uma metade que é vida, também somos outra que nada é. Ainda.

É melhor demonstrar com naturalidade um defeito que talvez seja insignificante; / se o esconderes, parecerá maior.
-- Marcial

quinta-feira, outubro 21, 2010

Caminhos - P.M)


Se eu conseguisse abraçar
A alma afastada
Sem ao menos me perder
Seria tudo bem mais fácil

Fechei os olhos
E cai no vácuo
Lado a lado com os sentidos

Se pudesse inventar
Uma lucidez desfocada
Teria uma melhor reação
Na condição dos fatos...

Mas já não quero entender
Só preciso me encontrar
Na constância do infinito.

quarta-feira, outubro 20, 2010

(Carta para um tempo distante - P.M)


Este coração mutante
Se desgastou até a ultima condição
E na correnteza atrasada
Revelou as horas cansadas
Na inconstância da duração

Mentes inconsequentes
Anestesiaram a memória
Esquecendo de prezervar o vínculo
Com o antigo valor da história

A presença desvinculada
Distanciou as almas mais velhas
Injetando no sintoma das falhas
A verdade enganada deste tempo

Os olhos sempre abertos
Esqueceram das lágrimas
Induzindo motivos incertos
Na contradição dos pensamentos

A observação sempre notada
Criou o berço da inconstância
Despindo os velhos sentimentos
No orgulho da relevância

A atuação exagerada
Consumiu os raros momentos
Enquanto as estrelas observaram
Destinos criados por tormentos

E a eternidade se calou
Diante das atitudes
Enquanto a verdade inventada
Esqueceu de guarnecer o nada
No espelho das virtudes.

obs: (I am inside of the context... Always!!!)

quarta-feira, outubro 13, 2010

(O Salvador - P.M)


Teu atavismo é atômico.
E cega, na sombra criada
Toda concepção inconsciente.

A epistasia dos teus fenômenos,
Renasce de linhas sonhadas
O limite já não lhe pertence.

**Atavismo - Reaparecimento de um caráter em um organismo, na forma típica de um ancestral remoto, e que não está presente em ascendentes mais recentes. 

**Epistasia - Forma de interação entre dois ou mais genes não alelos através do qual um gene pode mascarar o efeito do outro.

(Kátharsis - P.M)

Posso beber do seu veneno
Cortar as línguas afiadas
Me acomodar entre seus ossos
Cuspir fogo como uma serpente mascarada

Os pulsos se cortaram por uma causa falida
Lapidei suas grades no concreto das horas
O fardo reagiu no impulso atravessado
Na catálise maquiada das justificativas

Disfarcei a alma
Em um conceito impensado
Entre o alvo, a seta,
E um vago desperdício...

Troquei os planos
Por uma teia inconsciente
Entre o raso, a meta,
E um pesado precipício...

Injeção de ânimo é o seu álibi
Mas sua intenção ultrapassada
Fez a sua mutação cansada
E a sua alma um subproduto do enredo

Desfocada se fez a essência  da razão
Escondendo as farpas da contradição,
No caos da amnésia premeditada
E na antiga novidade dos segredos

A reação se acomodou pelos cantos
A sombra percorreu as suas veias
A ambição lhe apresentará os prejuízos...

Tua intenção é um contágio
Má formação da origem
Denunciada pela falta de concepção
Dos seus brinquedos de suicídio.

**Kátharsis - Catarse em grego : Efeito de purificação produzido sobre os espectadores por uma representação dramática, em especial de uma tragédia clássica.

Escrito após assistir Zeitgeist pela 3 vez.

quarta-feira, setembro 29, 2010

(O Anjo caído - P.M)


Tentei salvar um anjo
Que se encontrava perdido
Nas linhas da minha mão.
Tentei evitar suas lágrimas,
Mas me faltou a compaixão.

Tentei entender o que me dizia,
Procurei pelas portas abertas
Mas no vazio das entrelinhas
Suas palavras me foram secretas

Busquei modelar a alma
Me entorpecer de algum jeito
Que revelasse a verdade
Ou sentimentos dentro do peito

Tentei decifrar os sentidos
Percorri estradas sem saída
Mas as palavras do anjo
Eram grandiosas demais
Para a razão desta vida

Encarei forças ocultas
Em cada enigma imaginado
E nem o sinal da sua partida
Despertou os motivos criados

E o anjo se afastou...
Num gesto lento e profundo,
E sussurrou no vento
A essência perdida deste mundo.

domingo, setembro 26, 2010

"Quando se guarda na essência,
A liberdade do que se sente...
Se sente sempre liberdade."
"Só posso acreditar na coerência que tenha uma parcela significativa de loucura."

terça-feira, setembro 21, 2010

(Corra para Longe - P.M)


Corra para bem longe
Deixe as horas para trás,
Concentre-se no que não se vê.
Todo o restante você tem demais.

Respire profundamente
Em cada resposta perdida,
E acrescente na sua alma
Apenas a verdade sentida.

Não desperdice a profundidade
Toda liberdade é maior,
Quando se aprende com a dor
Que a vida é feita de mudanças.

E ao fechar os olhos,
Descubra seus caminhos
No que lhe foi herdado
Em momentos de esperança.

Tente morrer enquanto vivo.
Assim descubrirá
Que o tempo tem mais horas
Do que lhe faz sentido.

sábado, setembro 18, 2010

(Coleção de miragens - P.M)


Era um senhor de idade...
Nascido com asas nos olhos,
E assim vivia da distração
Pois no observar ao redor...
Mal sabia se era verdade,
Ou se pura imaginação.

Em mantras de vestígios
Intermitente onipresença,
Plantava sem saber
Almas nos campos do olimpo.

E ao se encontrar na paisagem,
Não mais buscava,
A saída para o que se vê.
O seu todo era vivo.

Quando o sol dormia...
E a noite envelhecia,
As estrelas eram pousos
Nas avenidas da percepção.
Seria um sonho sem fim?
Ou uma verdade sem razão?

Suas mãos eram de fogo
De tanto contar...
Os rastros do infinito.
E o seu melhor acordo
Era brincar de detalhe,
No mundo de cada sentido.

Tinha visão maior ainda
Destas que mal se enxerga,
Quando o sentido das formas
Abria sua alma em dimensão,
E perfeição simplificada.

E quando desaparecia por completo,
Entendia em eterno segundo
Que a vida era mais viva
Quando a liberdade era criada.

quarta-feira, setembro 15, 2010

(Da instrospecção - P.M)


As instrospecções chegam caladas e nunca ficam por muito tempo. Deixam marcas, mas não mentem. Agem feito quebra cabeças de estados, recompondo sonhos, aconselhando fardos, acordando gente. Sorteiam maneiras de estar como mistérios íntimos. Pousam nos dias como nascentes, e nas madrugadas como natureza. São correntes da mais pura direção, banhando a alma e desaguando verdades, alimentando a essência e o renascer em novos dias de coragem. Se revelam e o tudo mudam dentro do nada, sem necessidade de esperança, verdades ou palavras. As introspecções chegam sem hora certa, em sinais de revoada e gestos pausados. Ensinam a simples ciência do que não se pode ver. Deixam cicatrizes de cura em marcas do que se foi derrepente. Por vezes a repousarem distâncias, por horas a divagarem presenças. Regam a essência terrena em sentidos de esferas que só a alma pode escrever, só a liberdade pode ler e só a verdade pode traduzir. São sopros de mudança em trilhas ocultas, onde o ser se refaz, a vida se encontra e a realidade é muda.

domingo, setembro 12, 2010

(Meias verdades - P.M)

De tantas meias verdades
Já nem me recordo bem
Da essência deste mundo.

Nem sei se os versos deixados
Refletiram de algum jeito
Sentimentos mais profundos.

Pois teu mais vivo passatempo
São jogos fáceis de azar,
Simples caos em desatino
Perfeito crime de estar.

E o destino tão cansado
Bem na hora da verdade
Abandonou simples sentidos
Entre fogo e vaidade...

Eu doei as minhas asas
E me esqueci pirando
Nos sinais da sua razão.

Eu inventei a nossa casa
Só pra me provocar
Em sua mais nobre condição

letra somente*

sábado, setembro 04, 2010

(Casos Perdidos - P.M)



É uma ironia esta vida
Uma perfeita contradição
Quando se encontra a saída
Se supera a condição

É uma loucura relativa
Essa razão sempre sincera
De passar a realidade
Entre mistura de esferas

É uma verdade tão instável
Toda a mudança consciente
De esperar o inevitável
Não mais que derrepente

Não esconde o jogo meu bem
Tua verdade me liberta
E se meu remédio não lhe convêm
Não deixe a porta aberta

A sua paz não condiz
Com cada hora omitida
Não se escravize entre pactos
Liberte-se de partidas

Pois o teu nexo é resolvido
Em não mais que bem querer
E se o suspense não faz sentido
Só depende de você.

terça-feira, agosto 31, 2010

(O estampido e o bater das asas - P.M)


O Vôo anuncia,
Um estampido disparado
A saudade dá o seu sinal.

O instante é ressoante,
Rompendo o casulo regente
(A reação é criada).

A vida denuncia...
Todo o movimento deixado,
O bater das asas é letal.

O horizonte é contrastante...
Revelando um paradoxo nascente
(A percepção está dada).

(Breve comentário sobre o poema):

01 - um tiro alto - e o voo assustado de uma borboleta anuncia uma nova saudade (um novo passar de fases) - ...Uma vida é interrompida... uma nova fase é regida (o vôo)

02 - O momento é marcante pelo som ressoante.... superando a falsa noção de liberdade através do chegar de uma nova fase...rompe-se com toda a falsa segurança... reação nunca é espontânea para um acontecimento inesperado

03 - A vida denuncia um lembrança deixada pela morte...o destino anuncia um novo vôo que se segue.

04 - duas realidades completamente opostas se interligam (um tiro e o vôo de uma borboleta)
A morte recém chegada... e finalmente o bater das asas... duas coisas tão constrastantes interligadas por destinos parecidos e opostos.

sexta-feira, agosto 20, 2010

(O xadrez e a serpente - P.M)



Os cegos peões no tabuleiro
Aguardam o lance colateral
Enquanto a estratégia é traçada...

Duvida-se em instantes
De toda a possibilidade nascida
(O destino é marcante)

O bote defensivo é certeiro
Penetrando na corrente vertebral
Como um veneno da jogada

Viola-se em delírios
Toda a percepção vencida
(O ponto de vista é cortante).

terça-feira, agosto 17, 2010

"Se as respostas deste mundo não forem capazes de revelar a verdade do que se sente nesta vida, então prefiro acreditar na ilusão de um sonho inventado."

quinta-feira, julho 01, 2010

(Apelo - P.M)


Minha naturalidade
Se perdeu em algum lugar
Tão perto do ser
Que me cegou as sombras.

Agora estou perdido
Na procura do que não é...
Enquanto guardo na essência
Os desencontros em mim.
Sem reflexos, sem não e nem sim.

Não mais busco compreender
Os sentidos em minha natureza
Agora vivo da verdade
De tudo o que se enxerga...
Sem saber.

terça-feira, junho 22, 2010

(Cacos da Ilusão - P.M)



Com os anos aprendemos...
Que não são as horas que passam
Somos nós que passamos,
No intervalo de silêncios curtos

O que ficam são molduras
Nas possibilidades dormentes
O gato descansando devagar,
A alma a rescitar o inconsciente

As folhas de caderno rabiscadas
Diante de tantas outras vazias,
Todas as formas sonhadas
Nas faces ocultas da simetria.

As conversas sem pretenção,
Em laços de amizade presente
Quando se aprende com a emoção
A verdade suficiente.

Os retratos amarelados
Na contradição de paredes frias,
Diante de estados que nascem
Entre a coincidência e a antinomia.

Ficam as almas em essência
Banhadas na brisa da madrugada,
Acordando o ser em reticências
Para um leve sopro de palavras.

(Ocos Propósitos - P.M)



A essência atropelada
Pelo cotidiano de aço,
A tudo assassina a todo instante...
No disfarces condicionados
Por cada nulo semblante.

Sem impessoalidade e
(Escrava Intenção)
De porra nenhuma interessa
O ego
Se desta forma só se pode viver
Com a opção venenosa
De ideais em promoção.

Quando a ambição das escolhas
Não vale para a vida
O que salva é viver
De tudo o que não se pode querer.

A liberdade é maior por si só,
Sem qualquer razão definida.
Para existir. Para coexistir.

Pois as razões não são verdadeiras
Se não nos acordarem,
Para a pura realidade
De corpos em decomposição...

Entre a inocência e a intenção,
Existe uma linha tênue
Um princípio vago
Um esquecimento presente
Que há de nos salvar
De alguns de nossa própria gente.

*** Feito com o intuito de participar do projeto palavra porrada.
*** http://palavraporrada.blogspot.com/

(Poesia Partida - P.M)

Hoje a fonte de alma secou.
Faltando me com a inspiração,
No fôlego da vida.
A poesia me deixou
Sem o mar em mim...
Nem sinal, nem saída.
E nem fim.
"A verdadeira moral não está na maneira como uma pessoa impõe o seu poder às outras, e sim na forma como ela demonstra a sua capacidade de liberdade independentemente deste poder"

quarta-feira, junho 09, 2010

(Essência em Ecos - P.M)


Pauso as horas em mim. Iludo os sentidos em tréguas internas. Sinto
o rasante de formas a regerem o alfabeto de imaginações presentes.
Guardo vôos para o que há de vir pela primeira vez. Silêncio através
de agudos poentes. Sentidos nascentes a pousarem em cantos de alma coração.
Enxergo minha calma como um rio de esperança a desaguar no esconderijo da paz.
Me liberto em cada naturalidade inventada, em cada gesto entretido perante
infinitos convertidos. Minha essência ecoa em brincadeiras de liberdade,
recolhendo-se na lembrança de sonhos naturais, em paisagens de quadros antigos
e paixões eternas. Hoje sou tempestade de chuvas finas. Sem ego, sem cortes nem sina. Abrigo-me no espaço de versos úmidos. Em presenças marcantes de almas distantes a reinventarem o nome das coisas. Me pego a admirar estas linhas
em branco a irradiarem a aquarela maior desta vida. A vida enquanto passagem. Enquanto paisagem. Enquanto cor, fascínio e poesia. E em cada rastro deixado por marés improvisadas, em cada margem que nesta existência se revela, a visão do horizonte expande a onipresença do meu barco a vela.
Ele nunca acreditou muito no tempo...
Mas o tempo sempre revelou grandes surpresas em seu acreditar.

sexta-feira, junho 04, 2010

(Internidade Eterna - P.M)



Esta alma que me acorda em devaneios
Me abrigando na distração entre mundos
É a mesma que sonha segredos
Na "internidade" de mistérios profundos
E em cada sonho que tenho
Jamais descubro se foi espelho de alma,
Ou se foi confusão dos sentidos
Seja como for, o que me resta sempre
É a inocência provada entre risos
E a espera a viver de esperanças
Diante da eternidade e seus motivos.

sexta-feira, maio 28, 2010

(Dignidade Intrínseca - P.M)



Algumas coisas nesta vida
Há de serem observadas:
O sinal de uma contrapartida
Uma presença distante
A razão mais verdadeira
Sem a fraca consciência errante

Dignifique a sua fração dos outros
Se perca da necessidade desnessária
Dos motivos mal qualificados
Pela puta rotina diária

Acorde...
No sonho que te aguarda
Na imaginação que te ensina
Na possível perfeição
Longe de qualquer triste sina

Observe ao redor, longe do que se vê
Dilua o que te fazem entender
Entenda por si mesmo.
Pois os sentidos que te engrandecem
São os mesmos que escrevem o livro
Da alma.
video

terça-feira, maio 25, 2010

(Me dê as suas mãos, dizia ela - P.M)


Me dê as suas mãos, dizia ela
Me empreste as suas asas
Te levarei rumo ao desconhecido
A passear onde as cores são maiores
Do que os sentidos

Me permita tocar suas notas
Deixe me difundir sua alma,
Te apresentar a vontade das vontades
No reflexo da mais pura pretensão

Vou ensinar sua liberdade, dizia
A perfeição de bocas mudas...
Levarei sua ilusão a se perder
Na sensação do que não muda

Seus olhos fechavam, e ela suspirava
Como o canto de penas brancas
A contornarem o vento, devagar
Na calma da esperança dispersa

Vou te ensinar verdades sinceras
Sentimentos de um novo tempo
Detalhes a brincarem de esferas
No fascínio do envolvimento...
Te encontrarei na renuncia das ausências.

A cortina de sua visão se abriu...
Na plenitude do que não foi prometido
Em promessa do que não foi definido
Nas puras fontes da saudade...
Nos traços marcados de suas palmas
E ela se foi, como se nunca tivesse estado.

domingo, maio 23, 2010

(Eternidade de segundos - P.M)


Como poderia eu não duvidar
Das incógnitas desta vida,
Já que vivo entre instantes
A brincar de formas sonhadas
Em dias de constelação vivida

Em cada coincidência do além
Com estes planos inominados
Troco condutas e essências
Por infinitos improvisados

No envolvimento das sombras
Com as eras partidas,
Me perco em universos...
Em cada alma perdida

Nos rastros da imensidão
Na simples voz do segredo,
Releio estrelas a sussurrarem
Ecos, teorias e enredos...

Caído entre esferas
E espelhos deste mundo,
Traço reflexos inteiros...
Na eternidade de um segundo.

sábado, maio 15, 2010

(Alfabetos Inominados - P.M)


Jamais busquei entender as dimensões
Nem se pudesse, o faria
O que me impressiona são os sonhos,
Esferas de nuances imotivadas
Vestígios de outros dias.

Entre paredes úmidas
Evaporo com as sombras
Consentindo com a vasão,
Em cantos improvisados

Tateio almas
Reflito entre atos
Decorando mistérios,
E alfabetos inominados...

Meço planos,
Me perco em distâncias,
Perante horas aconselhadas.
Abraçando enredos de tudo
Em completas visões do nada.

quinta-feira, maio 13, 2010

(Mistérios Íntimos - P.M)


As lembranças,
Já não me consomem
De vazios inteiros.

Já não são mistérios íntimos
Neste céu de nevoeiros.

Agora, a noite canta
Na sinceridade dos meus sonhos,
Intercalando falas...
Paixões que componho.

quarta-feira, maio 12, 2010

(Alma Sanguínea - P.M)



Se eu pudesse descrever
A alma sanguínea
No corpo de minha corrente
Provavelmente,
Teria trocado a vida pela morte
Muito antes de nascer.

Não acho que a morte seja algo ruim, e nesta vida, somente a sinceridade da emoção, que é uma das poucas coisas que vem da alma, me parece coexistir com outros planos (morte) de maneira plena. Assim sendo, a unica forma inteira de encarar os sentimentos diante da emoção que nos causa alguns aspectos terrenos, seria atravessar a vida e ir de encontro com a sinceridade maior.
Nascimento nestes anos é fase, o resto, é o que não se tem. Eternidade perdida. Ausencia sentida pra quem sabe que em algum lugar, existe uma metade do eu superior a nos esperar. Bem além dos corações banalizados desta fase. Nesta vida ainda nos faltam peças para o contato pleno com o todo. O que temos são asas a se desenvolverem para um futuro mais pleno, e algumas vontades corrompidas pelos karmas terrenos. E diante disso, nesta existência, não posso acreditar em conformidade inteira que não ande lado a lado com a mentira. Sonhos cortados pela meio termo desta vida. O universo esta em nós, mas nós não estamos inteiramente no universo, ainda.

segunda-feira, maio 10, 2010

(De quem serão estes passos? - P.M)


De quem serão estes passos?
Traduzindo meus atos
No rascunho de revelações
Que mal me cabem nas mãos

Sem perceber os sentidos
Da razão e suas verdades
Vejo anestesia do cotidiano
Em vestígios de brevidade

De todas as pretensões,
A que melhor encanta é a do nada
Nascendo de sombras vazias
Em sistema de liberdade parada

Decifro reticências, completo paciências
Alugando conselhos de causas esquecidas
Diluindo cores, idolatrando palavras
Diante da superstição das horas
E belezas desta vida.

Redijo contradições
Acobertando saídas
(Diante de toda direção consumida)

Transformo asas, seres, detalhes
Em paradoxos da simplicidade...
Retribuindo universos de emoção
Feito mortal diante da eternidade.

quinta-feira, maio 06, 2010

(Os seus beijos são cometas - P.M)


Os seus beijos são cometas,
Rasgando sonhos vazios
Diluindo horas mal planejadas
Em doses de cotidianos tardios

Quem sabe assim eu decore,
Os disfarces em meus egoísmos
Trocando segredos repetidos
Por paixões mais sinceras

Talvez eu entenda,
Sem razões ou partidas
Seus abraços inteiros
Desmascarando os atos
E a intenção desta vida

Viveria  até sem promessas
Sem prazos, signos ou trincheiras
Me perderia em seus laços
Coexistindo em novas maneiras.

quarta-feira, maio 05, 2010

(Ligeira vida reflete - P.M)



Ligeira vida reflete
Como alma a escorrer
Imagem sonhada em vales
De calma ilusão a convencer

Mal se cria em motivos
Simbolos raros e definição,
Sendo ausente, é sentido
De sombra, distância e vazão.

Em dormência, me acolhe
No encontro do esquecimento
Com a lembrança que renasce
Do vazio e eternos momentos.

segunda-feira, maio 03, 2010

(Para o quadro - P.M)



A impessoalidade guarnece
Em cantos esparsos
Esta vida com toques
De almas sem tatos

Em sentidos de paz,
No interior de olhos calados
Transita-se no feliz aconchego
Da melancolia e seus quadros

Nos detalhes que nascem
De objetos e seus fundos
Como a mais bela harmonia
Dos movimentos estáticos

Repousando suspiros
Nos abrigos do que não se deseja
Em lugares banhados
Por fantasmas em suas naturezas.

sábado, maio 01, 2010

(Nos sonhos existem coincidências - P.M)



Nos sonhos existem coincidências
Que mal pressinto na palma das mãos
Percorrendo os atos de dias virados
Nas faces sombrias de toda ilusão...

Retido nas asas do segredo,
Viro vestígio de partida e realidade
Seguindo presença de vago enredo
Feito um intruso na razão da eternidade...

Na mortalidade da lembrança, esqueço
Da pessoalidade acordada em estados
Presumindo sentidos que não mais cicatrizam
A mentalidade das dimensões e seus dados.

Como podemos lembrar de algo que somos obrigados a esquecer?

quarta-feira, abril 28, 2010

(Não busque em verdades - P.M)


Não busque em verdades tudo o que se perdeu no teu ego
Nem deixe a ausência brincar de sentido com suas vontades
Acredite no encontro sincero do ser a margem de tudo o que se é
Sem envolver-se por demais nas correntezas carentes desta vida.

Assim irá de encontro com os aspectos livres de suas escolhas
Nas possibilidades de tudo o que existe até sem razão notada
A te envolverem como luzes vibrantes de intuições pacíficas
Nos caminhos traduzidos em todo significado de liberdade calada.

Colha da existência somente os olhares sinceros de sua alma
Sem esquecer a ti mesmo nas causas dos prazeres deste plano
Pois a vida não precisa de significados para abraçar-te
Basta que o além dos sentimentos nao se distancie destes anos.

(Pedro Melo - 28-04-2010)

sábado, abril 24, 2010

(Já não me limitam as dúvidas - P.M)


Já não me limitam as dúvidas
Nem me possuem as evidências,
Pois a razão não mais causa fascínio
Nos sentidos ocultos desta existência.

Nem o tudo, ou mesmo o nada
Abrigam o segredo da vida
Apenas a imaginação semeada
Em cada liberdade mantida...

E se os sonhos nos levam
Aonde nascem as verdades,
Nas escolhas do agora, ecoam...
Caminhos eternos de brevidade.

terça-feira, abril 20, 2010

(Corações Amordaçados - P.M)


Se o riso forçado, fosse motivo de alegria
Qual imagem a sua mais forte cólera veria?
Simulando posturas no esconder dos estados
Reagindo feito aço, no acolher de um só lado

Do que são feitos estes desesperados
Que não se rendem ao que sentem,
Serão almas do medo?
Reféns de ilusão aparente?

Seres da mais bruta atuação,
São fantasmas destes planos
A persuadirem a verdade sagrada
Nas feições de seus enganos...

Pesados, jamais crescem do que são
Ao separarem a essência do fardo:
Mas se está a respirar e não te rendes
Não é vivo, não é morto e nem contradição
És espirito sem resposta, coração amordaçado.

ALTER-BIOGRAFIA X AUTO-EGO (Felipe Rey)

Sou
Seco
Pró-seco arredio
Rascante
Rachante vadio
Sou quente/frio
De vez em quando
Quando em quanto
Solto risadas
Gargalhadas no cio
Também derramo
Um ramo
De lágrimas por dentro
Contudo não me dou de graça
A qualquer
Contentamento.

segunda-feira, abril 19, 2010

(Queria que o relógio dos anos - P.M)


Queria que o relógio dos anos
Renunciasse das horas
Entretendo os segundos
Nos gestos de um vôo lento.

Abraçando os passáros
Nas asas do destino,
Em constelações de planos
No infinito dos sentimentos...

Desenhando na eternidade
Os olhos desta vida
Em motivo a despertar
A mais presente das partidas

Regendo na liberdade
Assim como a um irmão
Elementos de um só anseio
Na verdade desta ilusão.

sexta-feira, abril 16, 2010

(Inconformidades - P.M)


As inconformidades são como uma intervenção cósmica da realidade. Alimentando-se dos reconhecimentos anônimos, de oscilantes desejos encarnados nas condições frias da verdade. Acordam ilusões, vozes vazias, análises de tudo o que não acontece por não existir em si mesmo. É a aparência do que se enxerga quando se está retido em avalanches de matérias que desafiam os planos mudos. É contradição que desagua em necessidades desnecessárias, vínculos subjugados por prisões passivas, ideais vagos em audácias impossíveis. Confidências inconfessas nas faces do segredo. São palavras perdidas em todas as formas de não se retratar a vida. A razão admitida em reflexos de visões perdidas. Uma fonte carente de novidades sinceras, são como fogo que se acende em dias de chuva e velas. Improvisos constantes que desafiam os minutos das horas. As inconformidades são o elo perdido de semblantes ocultos a delirarem nos jardins da consciência pesada. É unidade desafiada por todas as moléculas dançantes nos terrenos da dúvida. Linha imaginária em descobertas sem relento de paz, sentenças tênues de ciências brancas, fórmulas rasas em trilhas de analogias vagas. Asas inertes pelo alvo egoísta deste momento único. Notas que não podem ser tocadas por mãos calejadas de inocência. Alfabetos que regem o espírito calado. Razão tímida na eternidade parada em gavetas do além.

quarta-feira, abril 14, 2010

(Portos do meu peito - P.M)


Em minhas cinzas virtudes,
Onde mal consigo enxergar
Tudo é chuva de pensamentos
Destas nuvens a improvisar.

Em segundos de essência,
Confundindo o pouco que resta
Vou brincando de transparência
Como alma perdida entre frestas.

Pois jamais poderia, eu propor...
Nos campos abertos da existência
Assumir gesto, mesmo que firme
Em traço ausente de qualquer dor.

Pois nem a mais livre felicidade,
Ou a mais alegre das liberdades,
Poderiam entreter meu coração
Nas obras partidas de meus feitos.

Somente a tristeza amiga,
Ancorada em emoção
Desafoga o sentimentos parados
Nos portos do meu peito.

(Dedicada a letra da música Há Tempos do mestre Renato Russo que diz:
"Tua tristeza é tão exata, e hoje em dia é tão bonito, já estamos acostumados, a não termos mais nem isso")

sexta-feira, abril 09, 2010

(Em dias de noite - P.M)


Em dias de noite, abrigam-se flores
Destas que não se podem colher,
Mas se tens imperfeições, não fujas, fica...
Plante estrelas nos jardins do alvorecer.

Não fique mudo perante o coração.
Mergulhe nos raios regidos d´alma...
Alimentando a si próprio em essência,
Nas sementes pacíficas da calma.

Brinda as constelações do ser
Sem ilusões de sentimentos
Nas intenções emotivas...
Da solidariedade de cada momento.

Voe nos casulos da existência,
Nas coincidências de outros planos
Sem apagar-se em consciência
Nos fantasmas destes anos.

Regue teus universos, além
Nas profundezas espirituais...
Esqueça as razões perdidas,
Na passagem desta vida:
Cria-te nas horas da eternidade.

Na liberdade das asas,
Nos sentidos de teus sonhos...
Nos mistérios escondidos
Em presenças doutros mundos.

sábado, abril 03, 2010

(Regência de um sono profundo - P.M)



Que instante é este que me acomete
Coisa viva sem qualquer definição,
Será segundo eternizado, em partida
Na liberdade de toda a emoção?

Que estado será este, livre e tão só
Me encontrando ao me perder
Na ausência que guarnece,
Cifras nos sussurros dos anjos...

Qual fração da eternidade será esta?
Que nos resgata de todas as carências
Das porções do universo aparente
E nos faz sentir coisa única por inteira?

Qual o nome deste delírio?
Que emudece tudo o que faz sentido
Para nos acordar na transformação...
Da regência de um sono profundo.

(Dedicado ao centenário de Chico Xavier)
Cifras: Combinação secreta de algarismos ou letras,
para abrir uma fechadura, segredo.

(Entre o Tédio e a Triste Sina - P.M)


Entre o tédio e a triste sina,
Criam-se pensamentos ao luar
Bem na fronteira do que fascina,
Com o reflexo do que não quer calar.

Nem mesmo a hora, ou os minutos,
Sabem bem o porque desta existência;
Então se transitas entre vagos mundos:
Nao desepera-te; Tenha paciência!

Doa as palmas aos anjos do alvorecer,
E em teus enredos, jamais esqueças
Não lute contra o que há de ser...
Ama-te os confins da existência.

sexta-feira, abril 02, 2010

(Meu Universo a vagar - P.M)


Hoje meu universo foi caminhar
Livre de provas ou vontades
Somente fonte do que é,
Sem impossíveis saudades.

Não digo além das formas.
Essas que são obras do ser.
Mesmo que confusas ou calmas,
Em pensamentos a entreter.

Foi sim persuadir a existência
Sobrevivendo em vestígios,
Ausente de ausências,
Ou inocência de martírios.

Foi reger obras naturais,
Trilhar sentimentos ou vazios
Sem mesmo contradição,
Ou espíritos em destinos.

Ancorar nas águas do céu.
Sem estados ou missões.
Apenas reagindo a instintos,
Pacífico de quaisquer razões.

Foi ser realidade de luas.
Infinitos em liberdade.
Existir a sí mesmo.
Sem qualquer finalidade.